• Nossa missão é cuidar de você <br />
  • Nossa missão é cuidar de você <br />

Destaques

Hemodinâmica
O Hospital Santa Marcelina conta com o serviço de Hemodinâmica, altamente qualificado em recursos humanos e tecnológicos, sendo o único hospital na região leste com atendimento em alta complexidade para os diversos tipos de doenças relacionadas à radiologia intervencionistas, através dos principais procedimentos:

  • Acessos Vasculares: quimioterapia, hemodiálise e transplante de medula óssea;
  • Angiografias (inclusive medular);
  • Angioplastia;
  • Angioplastia de Carótidas, Artéria Vertebral, Vasos intracaneanos;
  • Cateterismo Cardíaco;
  • Embolização de Aneurismas e Tumores Cerebrais;
  • Embolizações Periféricas;
  • Intervenção Biliar;
  • Mal formação Artério Venosa Central;
  • Tratamento Endovascular de Aneurisma
  • Valvoplastia.
  • Cirurgia Endovascular e Radiologia Intervencionista
  • Cardiologia Intervencionista

Centro Cirúrgico
O Centro Cirúrgico é composto por 20 salas equipadas com as mais novas tecnologias para comportar tanto procedimentos de grande porte quanto de alta complexidade.
Realizamos cirurgias cardíacas, neurológicas, de fígado, gastroplastia. Também é realizado cirurgias reparadoras e estéticas, procedimentos através de videolaparoscopia e transplantes de medula óssea e renais.

 Oncologia

Quimioterapia
O Hospital Santa Marcelina possui um centro quimioterápico especializado de alto nível, que realiza anualmente cerca de 10 mil atendimentos. Dispõe de um ambulatório para adultos e um ambulatório onco-pediátrico, em parceria com a TUCCA (Associação para Crianças e Adolescentes com câncer). Além disso, os pacientes contam com uma excelente equipe multiprofissional e estrutura hospitalar.

Radioterapia
O Serviço de Radioterapia do Hospital Santa Marcelina foi implantado dentro das mais rigorosas normas de segurança, com modernos aceleradores lineares de partículas e braquiterapia com alta taxa de dose. Possui equipe médica altamente qualificada, garantindo uma assistência humanizada e personalizada. Durante todo o processo de tratamento a equipe multiprofissional (médicos, físicos médicos, técnicos em radioterapia, enfermagem, nutricionista, assistente social, psicóloga, equipe de odontologia, entre outros) está focada na assistência aos pacientes. A unidade conta com dois aceleradores lineares de partículas, que permitem o tratamento com feixes de fótons e elétrons de diferentes energias, possibilitando a realização de radioterapia convencional e conformacional. A braquiterapia ginecológica é realizada em regime ambulatorial.

Oncologia Pediátrica
A oncologia pediátrica do Hospital Santa Marcelina atua em parceira com a TUCCA (Associação para Crianças e Adolescentes com câncer).  Em 15 anos de atividade já atendeu mais de 2.000 pacientes, atingindo taxas de cura próximas a 80% índice até 60% acima da média brasileira, igualado somente a dados da Europa e dos Estados Unidos. Além do tratamento, atua também em pesquisa, diagnóstico precoce e capacitação de profissionais e conta com uma equipe multidisciplinar que assiste o paciente e sua família até que fiquem completamente bem.
A TUCCA é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que oferece tratamento multidisciplinar de excelência a crianças e adolescentes carentes com câncer, sem custo ao paciente ou à família.
Saiba mais:  www.tucca.org.br 

Transplantes
Com estrutura para realização de transplantes e captação de órgãos, o Hospital Santa Marcelina é o terceiro maior hospital de São Paulo e o quinto maior do Brasil a realizar transplantes renais. É também capacitado para realziar transplantes de fígado e córneas. Possui amplo centro de diagnótico, com laboratório próprio e realiza todos os tipos de exames necessários para a realização de transplantes, o que facilita e agiliza todo o processo operatório. Também está capacitado para assistir os pacientes em hemodiálise, com modernos equipamentos e profissionais qualificados, proporcionando melhor qualidade de vida.

Transplante de Medula Óssea (TMO)
É considerado o terceiro maior hospital de São Paulo a realizar Transplantes de Medula Óssea, sendo que realiza em média 70 transplantes por ano. O Hospital Santa Marcelina conta com toda infra-estrutura ambulatorial pré e pós-operatório, além de acompanhamento de até 100 dias após o transplante imediato. Pioneiro na instalação de filtragem de ar, conta com uma estrutura completa para realização de transplantes, exames e diagnóstico.

Unidade de Terapia Intensiva (UTI)
A Unidade de Terapia Intensiva UTI oferece suporte avançado de vida a pacientes agudamente doentes que porventura possuam chances de sobreviver, destina-se a internação de pacientes com instabilidade clínica e com potencial de gravidade. É um ambiente de alta complexidade, reservado e único no ambiente hospitalar, já que se propõe estabelecer monitoramente completo e vigilância 24 horas.
O Hospital Santa Marcelina conta com cinco salas de UTI Geral, uma UTI Neonatal e uma UTI Pediátrica, estruturadas com modernos equipamentos e equipes multiprofissionais altamente qualificadas, incluindo: médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e assistentes sociais.

Parkison
O Hospital Santa Marcelina é um dos três hospitais do Estado de São Paulo que realizam cirurgia de Parkinson. Foram dois anos e meio para que todos os passos da cirurgia fossem minuciosamente simulados e para que todas as dificuldades fossem superadas com segurança. O resultado foi o alcance de um padrão de qualidade semelhante àqueles na América do Norte e Europa.

Na cirurgia, é implantado um eletrodo em uma estrutura milimétrica e profunda do cérebro chamado núcleo subtalâmico. Pulsos elétricos produzidos por um gerador (implantado naregião peitoral do paciente) são liberados através deste eletrodo,alterando o funcionamento elétrico cerebral e trazendo alívio dos sintomas. Este procedimento, chamado de estimulação cerebral profunda, foi possível graças ao trabalho de equipes altamente qualificadas e especializadas, incluindo profissionais das áreas de neurologia, neurocirurgia, neurofisiologia, neuroradiologia, psicologia, anestesia, enfermagem e fonoaudiologia.

A doença de Parkinson atinge cerca de 3% da população acima de 60 anos e se caracteriza pela presença de tremor, rigidez, dificuldade em iniciar os movimentos, entre outros sintomas. A cirurgia é uma possibilidade de tratar os pacientes que deixaram de responder adequadamente ao tratamento clínico. O sucesso da cirurgia começa como uma indicação precisa, realizada pelo trabalho conjunto entre o neurologista e o neurocirurgião especializado. A cirurgia traz de 75% a 80% de melhora dos sintomas motores, além de reduzir drasticamente o uso de medicamentos.